Ana Paula Alexandre | Coordenadora de projeto

O “Clube Ciência Viva na Escola” (CVnE) constitui uma oportunidade de promover a Educação para as Ciências na nossa escola, criando oportunidades de reforçar a capacitação de alunos e docentes através do desenvolvimento de projetos de ciências e do estabelecimento de parcerias que possam aproximar as escolas dos agentes impulsionadores da cultura e da investigação científica. Do ponto de vista da comunicação científica existem três acções relevantes voltadas para a comunidade, em particular:

  • Produção de brochura com textos e ilustrações;
  • Produção de filmes vídeo, sensibilizando para a educação ambiental, a mitigação e a adaptação social face à adversidade climática;
  • Feira de ciências, com o envolvimento direto da comunidade escolar.

Inscrição no clube

Qualquer aluno pode inscrever-se. Enviar um email para ana.alexandre@aeparede.edu.pt indicando o ano, turma, idade e tipo de energia renovável que estaria interessado em conhecer. Os horários serão estabelecidos de acordo com a disponibilidade dos alunos que se inscreverem.

Funcionamento

Os alunos serão agrupados consoante os seus interesses pelos diferentes tipos de energia renovável. Irão ser desenvolvidos projetos práticos, com tutoria dos colegas envolvidos no projeto de intercâmbio Erasmus+, que irão disseminar as aprendizagens/ experiências efetuadas nos encontros internacionais em que participaram. Numa fase inicial estão disponíveis os núcleos relacionados com as áreas das bioenergias e energia eólica.


2019/20

Entre outras atividades destacamos…

Projeto CCA Climate Change Awareness
Projeto internacional
Este projeto incluía também outras escolas da Tunísia, Itália, Croácia e Polónia. O projeto foi transversal ao currículo. Trabalhamos em vários tópicos, como alfabetização mediática e notícias falsas; depois, divididos em grupos internacionais, fomos trabalhar sobre as mudanças climáticas do ponto de vista científico aprendendo como o clima está a mudar. Falámos sobre economia verde e novos paradigmas éticos. O projeto motivou os alunos para a necessidade de enfrentar as mudanças climáticas, tornando-os mais conscientes, participativos e interventivos sobre seu papel como cidadãos em um mundo globalizado.

Grupo internacional dos Geógrafos:
Primeiro, os alunos decidiram em qual grupo internacional eles queriam participar.

Assim, durante a nossa primeira reunião geral de grupo grande, os alunos e professores conheceram sua equipa. Conversamos um pouco sobre o que eles pretendiam fazer sob o tema das mudanças climáticas.

Desta forma, o trabalho do grupo de Geógrafos foi baseado na metodologia de trabalho do projeto, baseado em duas questões iniciais:

1ª: As mudanças climáticas são um fenómeno recente?
Fomos investigar se as mudanças climáticas são recentes, se são exclusivas do antropocénico, se o ritmo das alterações está a mudar, …

Os alunos escolheram o continente que em que queriam aprofundar os seus estudos e, assim, formaram subgrupos internacionais. Foi usado o ICT Trello para compartilhar os resultados das investigações com o grupo. Como produto final, cada subgrupo fez um cartaz para ser exibido na escola de cada parceiro. Ao nível do projeto, usamos o ICT Padlet.

2ª: Que consequências temos como resultado das mudanças climáticas que ocorrem a uma taxa muito mais rápida do que seria esperado?
Como as nossas atividades da vida diária são influenciadas pelas mudanças que são sentidas, os alunos escolheram quais mudanças do clima têm maior impacto ou mais os preocupam.
Como produto final, criamos uma nuvem de palavras usando o ICT Wordart e o disseminamos para os outros grupos através do ICT Linoit.

Os produtos finais foram reunidos em um livro usando o ICT BookCreator.

No entanto, os alunos queriam ir mais longe e queriam saber se os problemas globais teriam diferentes impactos humanos e como eles poderiam ser reduzidos.

Os alunos escolheram temas de trabalho de acordo com seus interesses e curiosidade pessoal.

Foram trabalhados aspectos muito diferentes, desde política ambiental na UE, proteção da biodiversidade, gestão de bens comuns (oceanos e Antártica), guerras pela água, capacidade de carga da Terra e, como estudantes de áreas urbanas, ficaram curiosos saber reduzir o metabolismo urbano e quais são as vantagens de ser considerado “Smart Cities”. Investigaram também se o grau de desenvolvimento afetou o desempenho ambiental. Para tal, foi realizado um estudo de caso: Brasil-Japão.
O produto final produzido foi um PPT com o respectivo guião de apresentação. Os alunos apresentaram suas conclusões à turma e promoveram um tempo para reflexão e debate. Alguns trabalhos foram apresentados a outras turmas e a outra escola de um concelho próximo.
Eles também realizaram um peddy-paper sobre consumo sustentável, aplicado a estudantes mais jovens (11 a 12 anos).

O trabalho realizado mostra que os alunos foram capazes de:

Compreender: 
a importância da comunidade internacional na gestão de bens comuns;

Refletir sobre:

  • o uso adequado de recursos globais essenciais;
  • problemas na gestão de recursos comuns, como os oceanos e a Antártica;
  • a necessidade de repensar o crescimento econômico a partir de uma perspectiva de desenvolvimento sustentável.

Debater:

  • situações concretas que podem afetar a segurança mundial;
  • capacidade de sustentabilidade de grandes aglomerações urbanas;
  • adoção de soluções alternativas adequadas.

Em suma, acredito que o projeto motivou os alunos para a necessidade de enfrentar as mudanças climáticas, tornando-os mais conscientes, participativos e interventivos sobre seu papel como cidadãos em um mundo globalizado.

Think global – Act local!

Participação nos vários fóruns

Exemplo de algumas atividades

Exemplo de um dos cartazes electrónicos efetuados

Compromissos assumidos para combater as alterações climáticas:


Produtos finais do projeto

Saber mais sobre este projeto…

Saber mais sobre este projeto


2018/19

Entre outras atividades destacamos…

  • Projeto eTwinning “Changing gestures … What’s my contribution to the fight against climate change?”

Sendo a questão da mudança climática uma questão premente, foi desenvolvido projeto eTwinning envolvendo alunos da ESFLG e alunos de escolas secundárias de Espanha e Polónia. O projeto visava sensibilizar cada participante para seu estilo de vida e como ele contribui para as alterações climáticas. A partir do levantamento da pegada ecológica de vários grupos em Portugal, Espanha e Polónia foi possível perceber as desigualdades existentes e, consequentemente, ter a noção de global para agir localmente. Para tal, após o apuramento dos resultados e a sua análise crítica, foram construídos cartazes eletrónicos com as principais causas das alterações climáticas e efetuados vídeos com propostas de ações para alterar gestos do cotidiano que contribuem para o agravamento do aquecimento global.

Pesquisa de informação e resposta a questionário sobre hábitos de consumo e estilos de vida:

Resultados do inquérito efetuado nas escolas envolvidas:

Participação na construção de questionário efetuado com a participação de todas as escolas:

Resolução do questionário por todos os alunos envolvidos no projeto:

Exemplo de um dos cartazes eletrónicos efetuados:

Exemplos de alguns vídeos sensibilizando para a educação ambiental, a mitigação e a adaptação social face à adversidade climática:

Ecological footprint 1

Ecological footprint 2

Ecological footprint 3

Selo Nacional de Qualidade 2019 eTwinning

A Agência Nacional considerou que foram cumpridos os objetivos propostos tendo-se proporcionado aos alunos oportunidades de enriquecimento pessoal e consciência cívica.